Quando vemos o nosso cão ofegante é normal que fiquemos preocupados, pois, a respiração ofegante é sempre sinal de alerta.

Alguns casos podem ser episódios sem gravidade, no entanto, qualquer situação em que o patudo esteja ofegante merece atenção, para que a respiração volte à normalidade.

Como perceber que o cão está ofegante?

Quando um cão tem dificuldades a respirar, o seu corpo manifesta-se com movimentos bruscos do tórax ou abdómen, boca aberta, respiração rápida e superficial ou bastante profunda.

Não há como não perceber que algo não está normal!

Porque é que o cão pode ficar ofegante?

Existem várias causas para uma respiração ofegante nos nossos patudos, desde exercício físico intenso ou calor a doenças graves.

É importante que os tutores saibam avaliar a situação que presenciam, para saber se é necessária a intervenção Médico-Veterinária ou não.

Determinadas raças de cães, nomeadamente as braquicéfalas, como por exemplo Pug, Boxer, Pequinês, Bulldog Francês e Bulldog Inglês, têm mais propensão a alterações respiratórias.

Nestes animais, a cavidade nasal é mais achatada, tendo menos espaço para a circulação do ar, por isso necessitam sempre de maior esforço respiratório.

Ainda assim, respiração ofegante nos cães desta raça pode não ser normal e ter repercussões gravíssimas, se não for investigada atempadamente.

As causas mais comuns para os patudos ficarem com uma respiração mais ofegantes são:

  • Ansiedade
  • Dor
  • Calor
  • Exercício físico
  • Obesidade
  • Problemas cardíacos
  • Problemas respiratórios

Como identificar respiração ofegante?

Como referido anteriormente, quando há dificuldade respiratória, o cão apresenta sinais corporais específicos. Quanto maior for essa dificuldade, mais intensos eles são! Por vezes, pode surgir tosse associada e a língua ficar de fora enquanto arfam.

Perante uma situação destas, é importante mantermo-nos calmos e permitir que o  nosso patudo repouso, sem grande excitação, de forma a não agravar ainda mais o seu estado.

É importante observar a duração destes episódios e a sua evolução, em conjunto com os sinais que o cão apresenta. Por exemplo, se sua língua começa a mudar da sua coloração rosada para uma cor mais azulada, é sinal de que está a entrar em cianose. Isto significa que, devido à falta de ar, não está a conseguir oxigenar o seu sangue e tecidos.  Estamos perante uma urgência! Está indicado levar o seu cão para o Médico Veterinário imediatamente! Se, por um lado, após uma corrida matinal, a respiração do seu cão acelera o ritmo durante poucos minutos, mas mantém-se bem disposto e depois normaliza, percebemos que o episódio passou e foi resultado do esforço intenso.

E o que pode provocar uma respiração ofegante nos cães?

Apenas o Médico-Veterinário dispõe de ferramentas que permitem avaliar e diagnosticar o vosso patudo. Reforço que se o vosso cão tem dificuldades a respirar ou apresenta muitas vezes uma respiração ofegante, deve ser avaliado pelo profissional!

Existem vários motivos que podem provocar respiração ofegante nos cães:

O que fazer para ajudar?

  • Manter o cão calmo e tranquilo, evitando movimentos ou comportamentos que o stressem ou excitem
  • Manter-se alerta para vigiar o episódio e perceber se é transitório ou se requer avaliação médico veterinária imediata
  • Não medicar o cão sem autorização do Médico Veterinário

Quando o Médico Veterinário identifica o problema que despoleta a respiração ofegante, deverá seguir as suas instruções de tratamento e as suas recomendações.

Para evitar que o seu cão fique ofegante, deve ter alguns cuidados como:

  • Fazer passeios curtos e nas horas de menor calor
  • Momentos de brincadeira devem ser curtos e vigiados, especialmente em alturas de calor
  • Evite a exposição do seu patudo ao calor (especialmente grupos de risco como cachorros, cães séniores ou braquicéfalos)
  • Disponibilize sempre água fresca ao seu patudo
  • Faça check-ups regulares com o seu cão para diagnosticar precocemente alguma doença cardiorrespiratória
  • Ofereça uma alimentação saudável para evitar que o seu patudo aumente de peso. Personalize a dieta para o seu cão aqui

Ana Matias

Médica Veterinária

Published by Ana Matias

Experiência Terminou o Mestrado Integrado em Medicina Veterinária pela Universidade do Porto (ICBAS) em 2014. Desde então tem-se dedicado à Clinica de Animais de Companhia, com especial interesse nas áreas de Imagiologia, Reprodução Animal e Oncologia Clínica. Pós-graduada e certificada a nível europeu em Diagnóstico por Imagem pela ESPVS. A minha relação com os cães Desde sempre que não sei existir sem a presença destes animais. Ensinaram-me a admirá-los, respeitá-los e amá-los ao ponto de me darem força para me tornar na pessoa que sou hoje profissionalmente e a nível emocional. A Dora é a menina que me acompanha faz 8 anos, uma verdadeira rafeira de raça, como costumo dizer :) Enche-me os dias e o coração.

Leave a comment