O que é a lágrima ácida e como se forma?

  • Consiste numa pequena mancha escura e avermelhada no pêlo imediatamente abaixo dos olhos, a qual se pode observar em alguns cães.
  • A lágrima extravasa do olho e deposita-se nesta zona por produção excessiva ou pela existência e algum defeito ao nível da drenagem das lágrimas.
  • Um dos fatores que contribui para a coloração vermelho-acastanhada é um componente presente na lágrima: a lactoferrina.
  • Os componentes da lágrima juntamente com a ação das bactérias presentes na pele, para além da coloração escura, podem produzir uma secreção de cheiro desagradável.

A lágrima é mesmo ácida?

  • Não. O pH das lágrimas dos nossos patudos, apesar de sofrer alterações consoante a alimentação e a raça do cão, é, geralmente, neutro.

Qual a causa para o aparecimento deste problema?

As causas podem ser variadas. São as seguintes:

  • Cílios ectópicos (pestanas que nascem em locais inadequados que provocam desconforto);
  • Infeção/inflamação de alguma das estruturas do olho;
  • Glândulas lacrimais excecionalmente grandes, levando ao excesso de produção de lágrima;
  • Obstrução parcial ou total do canal lacrimal;
  • Glaucoma ou outra doença ocular;
  • Entrópion (pálpebra invertida);
  • Infeção/inflamação do ouvido;
  • Exposição a fumo;
  • Stress;
  • Presença de tártaro nos dentes;
  • Excesso de pelos na região causando desconforto ocular;
  • Entre outros.

Qual o tratamento indicado?

O tratamento depende da causa associada a este problema. Se a causa puder ser solucionada (por exemplo através de cirurgia, como é o caso do entrópion ou com tratamento médico no caso da presença de inflamação da conjuntiva de causa alérgica), as manchas irão desaparecer.

Se não for possível solucionar a causa primária, devemos seguir alguns passos para evitar a formação da lágrima ácida:

  • Manter o rosto sempre limpo e sem humidade – limpar suavemente o focinho do cão pelo menos duas vezes ao dia com um pano húmido, quente e macio;
  • Manter o pelo do focinho aparado;
  • Providenciar uma dieta de alta qualidade, equilibrada e apropriada para o cão e respetivas necessidades;
  • Evitar o uso do secador de cabelo, usar apenas uma toalha, de forma a secar o pelo do patudo (o ar quente pode irritar ainda mais os olhos).

Existem raças de cães mais predispostas para este problema?

Sim. As raças braquicefálicas são as mais afetadas, uma vez que, devido à sua anatomia, apresentam o ducto lacrimal mais tortuoso, exoftalmia (olhos proeminentes) e possíveis defeitos ao nível da conformação das pálpebras.

As principais raças são as seguintes:

Rita Moita Ferreira

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Published by Rita Ferreira

# Experiência Mestrado Integrado em Medicina Veterinária pelo ICBAS, U. Porto. Realizou o estágio curricular no Hospital Veterinari Molins, em Barcelona e ainda outros estágios em Portugal. Experiência profissional de 3 anos em Clínica de Animais de Companhia. Cardiologia e Cirurgia são as suas áreas de principal interesse. # A minha relação com cães Desde pequena que adoro brincar com cães e apreciar o seu comportamento e especial dedicação ao ser humano. O amor que sentem por nós é algo indescritível. Uma das minhas paixões é o Harvey, o meu cão, um traquina que alegra todos lá em casa.

Leave a comment