Os cães também podem sofrer insolações, tal como as pessoas, e são ainda mais sensíveis. Portanto, devemos ter muito cuidado e protegê-los, ainda para mais se fizerem parte de grupos de risco como alguns raças, cães seniores ou muito jovens.

Como é que os cães apanham uma insolação?

Ao contrário dos humanos que têm glândulas sudoríparas para regular a sua temperatura, os cães não, e portanto a única maneira o fazerem é através da respiração. Por isso é que, quando está muito calor, vemos os cães a “arfar”, que é nada mais do que uma respiração mais acelerada de forma a conseguirem compensar o calor e arrefecerem-se.

Assim, quando está muito calor, os cães têm grande dificuldade em regular a sua temperatura corporal, levando a um aumento da frequência respiratória que ainda assim pode não ser o suficiente, e levar o cão a sofrer uma insolação.

Como podemos prevenir que isto aconteça?

Alguns cães são mais sensíveis às altas temperaturas do que outros, nomeadamente cães seniores, com mais de 7 anos de idade, cães muito jovens, com problemas cardíacos ou respiratórios, mais pesados e raças braquicéfalas como buldogue francês, buldogue inglês, pug e boxer. Assim, estes devem ser ainda mais protegidos pois o risco de sofrerem insolação é maior.

No entanto, algumas medidas transversais para evitar a insolação em cães são as seguintes:

  • Não passear ou fazer exercício nas horas de maior calor, optando pelo inicio da manhã ou final de tarde / noite;
  • Ter sempre água fresca à disposição;
  • Garantir uma sombra ou local abrigado sempre disponível;
  • Evitar deixá-los no exterior por um grande período nas horas de maior calor, ainda que tenham uma sombra disponível, pois pode não ser o suficiente;
  • Nunca deixar os patudos dentro do carro, ainda que esteja a janela aberta;
  • Evitar grandes viagens em períodos de calor, evitar as horas mais frescas, fazer várias paragens e manter o ar condicionado ligado.

O que devo fazer em caso de insolação?

O melhor é sempre seguir as medidas preventivas para evitar que o seu patudo sofra uma insolação, no entanto, caso aconteça um acidente, saiba que é uma situação de emergência médica e deve dirigir-se ao veterinário o mais rápido possível para ser assistido.

A primeira coisa a fazer se o seu cão sofrer uma insolação é afastá-lo da fonte de calor e coloca-lo num local arejado e fresco. De seguida, enquanto se desloca para o veterinário pode tentar arrefecer o patudo utilizando toalhas molhadas com água fria, mas nunca água gelada que pode levar a um choque térmico, na zona das patas e zonas com menos pelo.

Pode também oferecer água ao animal, sempre pouca de cada vez, e molhar a boca, mas nunca forçá-lo a beber.

Patrícia Azevedo

Médica Veterinária

Published by Patrícia Azevedo

Experiência Frequentou o Mestrado Integrado em Medicina Veterinária pela UTAD, tendo concluído posteriormente o curso no ICBAS (Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Realizou vários estágios em Clínica de Animais de Companhia trabalhando agora nessa mesma área . As suas principais áreas de interesse são Medicina Interna e Cirurgia. A minha relação com os cães Os cães sempre fizeram parte da minha vida e do meu percurso profissional. Desde pequena o sonho era ser veterinária e ter um cão, até que com 11 anos o Rover se tornou o novo membro da família e a inspiração para ser médica veterinária que hoje em dia recordo com muito amor e carinho. Agora a minha melhor amiga é a Dama uma patuda rafeira que me enche o coração. Os cães são das melhores alegrias que podemos ter, sorte de quem tem um patudo na sua vida!

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *