Os snacks e as “guloseimas” são formas de tornar a alimentação um pouco mais interessante e tentar “variar” ligeiramente daquela que deve ser uma dieta constante e que deve ser a base da nutrição dos nossos patudos.

Mas a escolha do tipo de snack também é importante!

Antes demais, é importante ter em conta que os snacks devem ser oferecidos com moderação e como complemento a uma dieta rica e balanceada 😊

Se ocasionalmente der snacks ao seu cachorro, estes nunca devem representar mais de 10% da alimentação total do seu cão para evitar perturbar o valor nutricional de uma ração equilibrada.

Se por exemplo, o nosso patudo está em treino, pode ser preferível usar grãos da sua própria ração ao invés de snacks, para garantir que não excedemos o máximo recomendado diário.

Como escolher snacks:

  • Deve introduzir um snack de cada vez na sua alimentação e nunca misturar vários ao mesmo tempo. Desta forma vai conseguir perceber se o patudo se adapta a ele ou não, ou se lhe causa alguma alteração gastrointestinal.
  • Pode optar por snacks comerciais prontos a consumir, ou por produtos mais naturais: pedaços de frutas, cortados em pequenos pedaços e sempre sem caroços também podem ser ótimos snacks.
  • Recomenda-se ter uma lista em casa de alimentos tóxicos para os cães para que estes nunca sejam erradamente introduzidos como snacks. Pode ler sobre alguns destes alimentos tóxicos neste artigo.
  • Evite formulações ou ingredientes que saiba previamente que o seu animal reage mal ou apresente alergias.
  • Evite pedidos de comida à mesa e de petiscos

Aproveite para dar os snacks favoritos como recompensa por bom comportamento e torne o treino num momento divertido 😊

Helena Ferreira

Médica veterinária de Animais de Companhia

Published by Helena Ferreira

Experiência Mestrado Integrado em Medicina Veterinária no ICBAS - Universidade do Porto, concluído em 2017, tendo realizado vários estágios em Portugal e nos EUA onde aprofundou conhecimentos na área de Anestesia, Cuidados intensivos, Cardiologia e Radiologia. Desde de 2017 a trabalhar em clínica de animais de companhia com especial interesse nas áreas de Cirurgia e de Medicina Interna. A minha relação com os cães Os cães fazem parte da minha vida desde que a minha memória me permite lembrar. Cresci com eles e aprendi o significado de altruísmo e resiliência. São o verdadeiro exemplo se felicidade genuína! estão sempre lá para nós! Cá em casa tenho a Cuchi, uma “rafeirinha” com 15 anos mas espírito de cachorro! É um amor, a não ser quando se mete com os gatinhos cá de casa :)

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *