Muitos tutores questionam-se sobre quando começa o cio de uma Yorkshire.

As Yorkshire, são cadelas muito pequeninas e bastante criteriosas com a sua higiene, pelo que o cio pode passar despercebido! Vamos então esclarecer tudo sobre o assunto!

O que é o cio das cadelas? 

cio nas cadelas é uma fase do seu ciclo sexual, na qual surge corrimento vaginal sanguinolento. É conhecido por ser o “período menstrual”.

Quando começa o cio de uma Yorkshire? 

Em média, o primeiro cio das cadelas surge entre os 6 e os 24 meses de idade. Contudo, nas raças pequenas, pode aparecer numa idade mais precoce.

O primeiro cio nas cadelas Yorkshire, é comum entre os 5 e os 6 meses de idade! Pode ser “silencioso” e passar despercebido ao tutor. Nestes casos não há corrimento associado, mas as cadelas são férteis na mesma, podendo engravidar se cruzarem com um macho!

Como identificar se a minha cadela está no cio? 

Ocorrem alterações durante o cio fáceis de identificar pelos tutores: a vulva aumenta de tamanho e surge corrimento sanguinolento. Algumas cadelas têm alterações comportamentais, podendo ficar mais carentes ou mal humoradas. 

De quanto em quanto tempo aparece, uma cadela Yorkshire tem o cio?  

Normalmente o cio nas Yorkshire surge cada 6 meses. 

Quanto tempo dura o cio nas Yorkshire? 

Pode durar desde 8 dias a 21 dias. 

As cadelas Yorkshire têm menopausa?

Não! Segundo o PetMD, nenhuma cadela entra na menopausa, mas podem ocorrer alterações na frequência e intensidade dos cios à medida que envelhecem. Isto significa que as patudas ainda são férteis e podem engravidar!

Se a sua patuda não apresenta sinais de cio há algum tempo deve fazer um check-up com o Médico Veterinário para perceber se não existe alguma doença, como a piómetra.

Ana Matias

Médica Veterinária

Published by Ana Matias

Experiência Terminou o Mestrado Integrado em Medicina Veterinária pela Universidade do Porto (ICBAS) em 2014. Desde então tem-se dedicado à Clinica de Animais de Companhia, com especial interesse nas áreas de Imagiologia, Reprodução Animal e Oncologia Clínica. Pós-graduada e certificada a nível europeu em Diagnóstico por Imagem pela ESPVS. A minha relação com os cães Desde sempre que não sei existir sem a presença destes animais. Ensinaram-me a admirá-los, respeitá-los e amá-los ao ponto de me darem força para me tornar na pessoa que sou hoje profissionalmente e a nível emocional. A Dora é a menina que me acompanha faz 8 anos, uma verdadeira rafeira de raça, como costumo dizer :) Enche-me os dias e o coração.