Então porquê??

Não tem a ver só com o que podem transimitir na saliva… que já é bastante. Mas também com o facto de que os cães passam mais de metade da sua vida com os seus narizes a farejar e a  tocar em tudo, incluindo fezes de outros cães ou, muitas vezes, as próprias fezes.

Das piores bactérias que podem trasmitir através das fezes encontram-se a Salmonella, a Campylobacter (que provoca gastro-enterites severas e é das principais causas de intoxicação alimentar – muitas vezes não nos lembramos do que comemos??) e a E. Coli. A isto, são o que nós chamamos de doenças zoonóticas, ou seja, doenças transmitidas de animais para humanos e vice-versa.

Além de batérias, os nossos cães também podem transmitir parasitas – pois mesmo estando eles desparasitados, podem ter contactado com ovos de parasitas nas fezes de outros cães.

Quem deve acima de tudo ter especial cuidado?

Pessoas com o sistema imunitário fragilizado, como é o caso de quem faz quimioterapia, pessoas com HIV, e crianças, por exemplo.

Há parasitas que nestes casos podem levar a problemas sérios de saúde, como é o caso da Toxocariose, presente nos cães e nos gatos, e que pode levar a cegueira – e por este motivo é tão importante desparasitarem o vosso cão regularmente e seguindo o aconselhamente Médico-Veterinário.

E do ponto de vista do seu cão?

Há efectivamente, alguns cães que podem não gostar de serem beijados – resultando num factor de stress para eles. Se eles lutarem contra isso e/ou virarem a cabeça para o lado, são sinais que nos transmitem que se calhar… não querem muito esse tipo de mimo.

Mas no fim, é assim tudo tão linear?

Não! Nem tudo é certo, nem tudo é errado. Aliás, por outro lado, temos evidências de que crianças que contactam desde cedo com animais de estimação (e vão beija-los e por a mão à boca depois de os tocar) levam a que desenvolvam um sistema imunitário mais forte.

Assim como umas lambidelas dos nosso companheiros de quatro patas nos deixam super felizes e bem dispostos. No entanto, se conseguirem, beijinhos no ar sempre ? e muitas festinhas para uma dose cheia de mimos!

Ana Pinto

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Published by Ana Pinto

Experiência Mestrado Integrado em Medicina Veterinária pela UTAD em 2014. Realizou vários estágios em Portugal, Inglaterra e Espanha, exercendo Clínica de Animais de Companhia desde 2015. As suas principais áreas de interesse são Medicina Interna e Cirurgia. A minha relação com os cães Os cães sempre fizeram parte da minha vida desde sempre e não a consigo imaginar sem eles! Quer na vida pessoal, quer na vida profissional. É impossível não nos contagiarem com a sua felicidade pura! São realmente, a cura de todos os males :)

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *