O que há a saber sobre a formulação da alimentação seca?

A alimentação seca é apresentada sobre a forma de “biscoitos”, que podem ter diferentes formas e tamanhos (adaptados ao tamanho de cada cão). Nos biscoitos estão incorporados todos os alimentos e nutrientes que vêm mencionados na composição.

A inclusão de determinados alimentos, em diferentes quantidades, tem um propósito e tem conta as necessidades nutricionais de cada cão, em cada fase de vida. Como tal, a “mistura” de alimentos incorporados na alimentação seca é pensada para que a ração possa ser dada numa base diária, durante bastante tempo.

Então pode ser dada sempre a mesma ração?

A resposta é sim. Apesar das rações terem diferentes composições e constituintes analíticos (percentagem de proteína, fibra, etc.), estão formuladas para aportarem a quantidade de nutrientes necessários para cada fase de vida. A quantidade de nutrientes e a sua fonte varia de ração para ração. É importante, portanto, escolher uma boa ração!

A quantidade de calorias, nutrientes, vitaminas e minerais são suportadas pela alimentação diária. Contudo, as necessidades de cada cão variam consoante o peso e atividade e portanto as quantidades diárias de ração diferem de cão para cão. A informação sobre as quantidades vem sempre presente na embalagem de cada ração. As características de cada cão, por serem únicas, requerem ainda uma escolha alimentar muito individual!

E com que frequência a ração deve ser alterada?

A alteração da ração deve ser ponderada sempre que:

  • Haja uma mudança na fase da vida do cão (de júnior para adulto, por exemplo);
  • O cão não se adapte à ração (não coma com apetite, tenha alterações nas fezes, etc.)
  • Haja uma alteração patológica que requeira uma nutrição específica

Contudo, a ração também pode ser variada de vez em quando para que seja possível variar a fonte de nutrientes, vitaminas e minerais. Esta mudança não é obrigatória especialmente se o cão estiver a comer uma ração de boa qualidade, com a quantidade ideal de nutrientes, provenientes de fontes alimentares saudáveis.

Por exemplo, a variação de sabor dentro da mesma marca permite a mudança de fonte proteica (que pode aportar diferentes quantidades e tipos de aminoácidos, os “constituintes” das proteínas).

Que considerações ter na transição de ração?

Sempre que é feita alguma mudança alimentar, ainda que dentro da mesma marca, é importante que seja feita uma transição gradual. Mudanças alimentares muito bruscas podem provocar alterações gastrointestinais, como vómitos e diarreias.

Contudo, se a transição for feita de forma gradual, não há problema em fazer a mudança alimentar.

Daniela Leal

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Published by Daniela Leal

# Experiência Mestrado Integrado em Medicina Veterinária pelo ICBAS, U.Porto. Realizou estágios em Portugal, Espanha e no Reino Unido e conta com 3 anos de experiência em Clínica de Animais de Companhia. A Nutrição Clínica e a Oftalmologia são áreas clínicas de especial interesse. # A minha relação com os cães Nos últimos 8 anos vi cães diferentes todos os dias – fascina-me a forma como encaram a vida com felicidade, proporcionando sentimentos positivos a quem os rodeia. Lá em casa a Kia, com 5 anos, é atualmente o membro mais novo da família :) Adoramos ir juntas passear à praia!

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *