A cauda é um prolongamento da coluna vertebral

É constituída por vértebras caudais, cujo número varia com o tamanho da cauda. Normalmente são mais largas na base e vão ficando mais pequenas em direção à ponta. Podem adquirir vários formatos, como acontece nos Pugs, por exemplo, que têm a cauda enrolada.

Encontre aqui ração para raças pequenas.

É um meio de comunicação

A mensagem mais conhecida que a cauda dos nossos cães nos transmite é a de alegria e excitação. Todos nós associamos a sensação de bem estar e felicidade dos nossos cães a uma cauda a abanar energeticamente. No entanto, essa é apenas uma das mensagens que a cauda nos pode comunicar; através da mesma, podemos ainda perceber sensações de medo (quando a colocam entre as pernas), insegurança (quando baixam a base da cauda e abanam apenas a ponta, lentamente) ou até de reatividade/curiosidade (quando a colocam na vertical, sem abanar).

Aprenda mais sobre este assunto aqui.

O seu cão não abana a cauda quando está sozinho

Uma vez que é uma ferramenta de comunicação, os cães não costumam abana-la quando estão sozinhos, uma vez que não têm ninguém com quem comunicar.

Promovem o equilíbrio

Apesar de não acontecer com todas as raças, há animais que utilizam a cauda para promover uma maior precisão no movimento. Muitas vezes utilizam-na como contrabalanço para conseguirem fazer viragens mais rápidas e precisas, por exemplo, durante uma corrida.

A reação do seu animal à cauda pode indicar-lhe problemas de saúde

Caso o seu animal comece subitamente a correr em círculos atrás da cauda isto pode ter vários significados. Pode ser sinal de tédio, da presença de pulgas ou até de problemas comportamentais. Caso o seu animal deixe subitamente de levantar ou abanar a cauda, pode também significar que sofreu alguma luxação ou fratura e deverá contactar o seu Médico Veterinário habitual.

Espero que tenha gostado de saber mais sobre esta parte tão especial do corpo do seu animal e que se delicie ao ver a alegria dele com a sua presença! 🙂

Ana Cláudia Gonçalves

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Published by Ana Gonçalves

Experiência Mestrado Integrado em Medicina Veterinária pelo ICBAS, U. Porto. Realizou estágios em Portugal e nos Estados Unidos da América e conta com dois anos e meio de experiência em Clínica de Animais de Companhia. A medicina preventiva, dermatologia e imagiologia são as principais áreas de interesse. A minha relação com os cães Desde sempre apaixonada por animais, especialmente por cães. A escolha do curso de Medicina Veterinária foi muito natural e óbvia, desde criança que sabia o que queria ser. Entrei verdadeiramente no mundo canino aos 16 anos, quando adotei o meu primeiro cão. Chama-se Lucky, é um labrador bege, agora sénior, que todos os dias me dá lições de resiliência e vontade de lutar. Nada o faz mais feliz do que longos passeios e sestas no sofá :D

Leave a comment