angioedema é uma reação na pele (derme profunda e tecidos subcutâneos) e nas mucosas, incluindo as dos tratos respiratório e gastrointestinal. Implica um aumento da permeabilidade vascular e o extravasamento do líquido intravascular. É geralmente uma reação aguda causada por exposição a alergénios , alimentos, picadas entre outros.

aspeto dos tecidos altera-se, chegando a ocorrer deformações acentuadas. Ou seja, a zona fica inchada. É comum a imagem de patudos com a cara edemaciada após serem picados por abelhas, por exemplo.

O Angioedema resulta da desgranulação de mastócitos e basófilos (células inflamatórias) mediante diversos estímulos. A desgranulação destas células liberta substâncias vasoativas e inflamatórias nos tecidos envolventes, provocando os sinais clínicos observados.

Estes sinais são agudos, quer isto dizer que se manifestam logo após o estímulo responsável e até 30 min depois do mesmo.

Se o Angioedema envolver os tecidos circundantes à laringe, pode surgir dispneia, ou dificuldade respiratória, e em casos graves conduzir à asfixia.

As reações anafiláticas que envolvem o trato gastrointestinal são acompanhadas de vómito e diarreia. Pode ainda ocorrer  choque anafilático, que é a reação de hipersensibilidade de maior gravidade, podendo levar à morte.

Os animais em choque apresentam-se em colapso, com mucosas pálidas, pulsos débeis, taquicardia e extremidades frias. Estes pacientes têm um risco acrescido do desenvolvimento de coagulação intravascular disseminada (CID).

Dado o risco de desenvolvimento de asfixia, choque e CID qualquer animal que surja com uma reação de angioedema deve ficar sob vigilância médica pelo menos durante 24 horas, de forma a garantir o desaparecimento dos sinais e o controlo da reação. O tratamento deverá estar direcionado para a diminuição desta reação exuberante. Pode incluir fluidoterapia e a administração de fármacos como glucocorticoides, adrenalina e anti-histamínicos. Caso se conheça, ou se suspeite da natureza do alergénio que motivou a reação, outros tratamentos podem ser necessários.

Por isso se desconfiar que o seu patudo está a sofrer deste tipo de reação, não hesite e leve-o de imediato para o centro de atendimento médico-veterinário mais próximo.

Helena Ferreira

Médica Veterinária de Animais de Companhia

Published by Helena Ferreira

Experiência Mestrado Integrado em Medicina Veterinária no ICBAS - Universidade do Porto, concluído em 2017, tendo realizado vários estágios em Portugal e nos EUA onde aprofundou conhecimentos na área de Anestesia, Cuidados intensivos, Cardiologia e Radiologia. Desde de 2017 a trabalhar em clínica de animais de companhia com especial interesse nas áreas de Cirurgia e de Medicina Interna. A minha relação com os cães Os cães fazem parte da minha vida desde que a minha memória me permite lembrar. Cresci com eles e aprendi o significado de altruísmo e resiliência. São o verdadeiro exemplo se felicidade genuína! estão sempre lá para nós! Cá em casa tenho a Cuchi, uma “rafeirinha” com 15 anos mas espírito de cachorro! É um amor, a não ser quando se mete com os gatinhos cá de casa :)

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *